Princípios da Mudança Comportamental

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Já começou a desenvolver determinado comportamento (ex: ir na academia) e depois desanimou? Já tentou convencer ou persuadir o outro a ter determinado comportamento  e ao final, obteve poucos resultados ou quase nenhum?

Em outras palavras, quantas vezes você já tentou alterar algum comportamento em si mesmo e ou convencer o outro a mudar determinados padrões comportamentais mas teve poucos resultados positivos? (Cursos Online Comportamental). 

Pois bem! O presente artigo visa, dentro do escopo que se propõe, a abordar alguns princípios úteis da mudança comportamental de modo que o meu amigo leitor possa adaptar para a sua realidade cotidiana. Tais princípios foram extraídos do Coaching (Formação em Coaching) e da Psicologia, abordagens essas que venho me dedicando por me despertar grande fascínio! Não se é possível desvincular o “comportamento” do indivíduo, logo, taí sua necessidade de compreensão por nós.

O que é comportamento?

Comportamento pode ser entendido como atividade, ação, desempenho, resposta e reação. Comportamento então “é qualquer coisa que uma pessoa diz ou faz”, isto conforme estudiosos da área.

Há os comportamentos públicos ou manifestos (visíveis), tais como estudar, exercitar, vender, que são observáveis por qualquer pessoa, inclusive por quem está executando o comportamento. Porém, há também os comportamentos encobertos (privados, internos),  comportamentos esses que acontecem “dentro da pele”, como por exemplo, aquelasvozes internas’ (diálogos que temos com nós mesmos). E por falar nisso, já prestou atenção nessas suas vozes internas? O que elas andam falando com você e de você? (Cursos Online Comportamental). 

Outro conceito complementar que se insere no comportamento e são analisados nos processos de mudança comportamental (Seja um Life Coach) são as dimensões do comportamento, características essas do comportamento que podem ser medidas. São 3:

  • Frequência: número de vezes que o comportamento ocorre dentro de uma faixa de tempo. Ex: Quantas vezes vê o whatsapp sem necessidade ao longo do dia?
  • Duração:período de tempo que o comportamento perdura. Ex: durante quanto tempo fica distraída ao longo do dia?
  • Intensidade (ou força):refere-se ao esforço físico ou energia envolvidos na emissão de um comportamento. Ex: o esforço para começar a caminhar é bem diferente do que adquirir comportamento de falar em público em um evento de vendas.

São esses três (3) elementos que são trabalhados para que haja uma percepção maior do comportamento que se deseja ter (ou de não ter), bem como são eles que contribuem para definir quanto tempo, de que forma e quanto de energia precisará para adquirir determinado comportamento. Também, se precisará de um Coach (Seja um Life  Coach), um Psicólogo ou outro profissional.

Reforçadores comportamentais e hábitos

Para entendermos sobre mudança comportamental (Cursos Online Comportamental) sobre determinada perspectiva, retomemos alguns conceitos do Behaviorismo pela ótica do célebre psicólogo B.F. Skinner. Apesar dessa perspectiva psicológica não contemplar os estados mentais ou subjetivos, isto segundo estudiosos, ela nos fornece muitas diretrizes sobre como adquirimos (ou mudamos) hábitos e comportamentos (Formação em Coaching). Ainda, podemos reparar que compõe, de forma adaptada e aperfeiçoada, inúmeros programas de mudança comportamental aplicado em diversas áreas: pessoal, profissional, educacional, empresarial, outros.

O conceito-chave do pensamento de Skinner é o de condicionamento operante, que envolve, em linhas gerais, os mecanismos que condicionam os nossos reflexos (reação) à estímulos específicos casuais. Em outras palavras, é a aprendizagem que adquirimos em função da relação entre dado comportamento e suas consequências, sendo que estas podem ser reforçadoras ou punitivas.

Skinner descobriu que os indivíduos tenderão a reproduzir, a repetir, um dado comportamento que foi reforçado (sinônimo aproximado de recompensa) pelo meio ou por alguém. O princípio do Reforçamento positivo então afirma que:

“Numa determinada situação, alguém faz alguma coisa que é imediatamente seguida por um reforçador positivo, então essa pessoa tem uma maior probabilidade de fazer a mesma coisa novamente quando encontrar uma situação semelhante”.

Por outro lado, a punição, levando em consideração o conceito do psicólogo, tende a enfraquecer e a diminuir dados comportamentos.

Cabe ressaltar, apesar de saber que o leitor é uma pessoa sensata, que a punição citada aqui envolve, por exemplo, uma multa, uma advertência por escrito, um olhar de descontentamento, além de outras possibilidades que não incluem as indesejadas agressões físicas e verbais.

Outro aspecto interessante é que reforço ou punição pode ter significados diferentes para pessoas diferentes, ou seja, o que é reforço para uns pode ser punição para outros. Ser destaque no mural da empresa por ter batido metas pode ser motivador para alguns e constrangedor para outros mais tímidos e reservados.

Conceitos fundamentais de Skinner

  1. Puniçãoentão para Skinner, é o processo pelo qual o comportamento é enfraquecido, diminuindo a probabilidade de que seja repetido. Portanto, pode ser de modo a suprimir um comportamento (ex: quando demitimos alguém) ou de modo a retirar um evento positivo (ex: bloquear a internet do seu filho adolescente).
  2. Reforço, por sua vez, visa fortalecer determinado comportamento de modo que ele aumente sua probabilidade de ser repetido. O reforçopode ser positivo ou negativo:
  • Reforço positivo:consiste em fornecer uma recompensa, um prêmio, um bônus, um gesto positivo ou atender a uma necessidade específica. Ex: já reparou no poder do elogio?
  • Reforço negativo: consiste em retirar algo que a pessoa não gosta (evento aversivo), o que não deve ser confundido com punição. Nesse há um incentivo de um comportamento pela remoção ou evitaçãode um evento aversivo, desagradável. Ex: excesso de barulho; calor excessivo; materiais longe da sala de trabalho.

Alguns tipos de reforçadores, seja em ambiente empresarial ou pessoal, podem ser:

  • Elogios, acenos, sorriso, “tapinha” nas costas;
  • Elogios na frente de terceiros;
  • Convites especiais;
  • Solicitação de opiniões e ideias;
  • Oportunidade de aprender novas habilidades;
  • Presentes, entre outros.

Esses mesmos mecanismos se inserem na formação dos nossos hábitos e nos princípios da mudança comportamental.

Passando por uma mudança comportamental

Em um dos seus cursos (Veja o curso) do qual tive a honra de fazer parte, as consultoras e coaches de renome Caroline Calaça e Cássia Morato, compartilham uma ferramenta de Coaching (As Ferramentas)  que lhe convido a fazer, refletindo e respondendo, seja sozinho ou com uma outra pessoa (mais interessante), conforme as questões adaptas a seguir:

Identifique uma situação de mudança pretendida, lembrando de ser especifico. Com base nisso prossiga respondendo:

  1. Quais as oportunidades que essa mudança pretendida por você lhe traz?
  2. Como você vê a si mesmo em relação à mudança pretendida?
  • O que você precisa fazer para se preparar melhor ou promover tal mudança? 
  1. Quais as ações vão garantir que você será bem sucedido ao longo desse processo de mudança?
  2. Quais são os hábitos que você precisará abandonar para ter essa mudança de forma consistente?
  3. Quais são os hábitos que você deverá cultivar que levarão ao seu objetivo? 
  • Quais as Dificuldades a serem superadas (barreiras e obstáculos)?
  • Quais os comportamentos vão me conduzir a esse novo patamar de mudança?
  1. Em quais circunstâncias chave devo praticar estes comportamentos que me levarão a mudança efetiva?

Gostou! Compartilhe!

Leia também…

Os 6 componentes das emoções [inteligência emocional]

5 Dicas para desenvolver a Inteligência Emocional no seu filho [e em você]

 

Fechar Menu